Mulheres Utilizam mais o Delivery Online do que Homens

No Rio, o número de mulheres que utiliza o serviço chega a 60%. Levantamento da praça de alimentação virtual ComerNaWeb traçou perfil dos consumidores, apontando que maioria tem renda entre cinco e dez salários mínimos e que a presença da Classe C tem crescido.

Fonte: RioPress Assessoria de Imprensa

deliveryO delivery online de comida não para de conquistar números interessantes, impulsionados pela maior confiabilidade dos brasileiros em realizar pedidos pela web e pelo aumento do número de restaurantes com canais de vendas. Segundo pesquisas, o setor deve crescer 100% até 2015 e, nos Estados Unidos, já concentra 15% das solicitações pela internet e em dispositivos móveis. No Brasil, o ComerNaWeb, primeira praça de alimentação virtual do Rio de Janeiro, e que acaba de desenvolver uma estrutura para mobile, realizou um levantamento para traçar o perfil dos consumidores e constatou que a maioria é mulher e tem renda entre cinco e dez salários mínimos. A Classe C também aumentou o consumo em 2012 e a tendência é continuar crescendo.

Recente pesquisa realizada pelo instituto estadunidense Nielsen, com 28 mil pessoas em 56 países, revela que a intenção dos consumidores em comprar alimentos e bebidas online aumentou 44% nos últimos dois anos. O avanço tecnológico acelerou o crescimento econômico, gerou diversas mudanças no e-commerce e formou um novo perfil de consumidores. Sabendo dessas estatísticas, o ComerNaWeb realizou uma pesquisa para mapear esse perfil, com 10 mil entrevistados em cinco capitais brasileiras (Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte e Salvador). Em todas elas, os trabalhadores que recebem entre cinco e dez salários mínimos são a maioria, com destaque para São Paulo (67%). No Rio de Janeiro, ainda segundo o levantamento, os bairros nobres continuam com destaque na utilização do delivery online, mas houve um aumento de 66% do consumo da Classe C, de moradores de bairros do subúrbio. A taxa média de entrega no Rio de Janeiro é de R$ 3,00, a mesma de Curitiba, por exemplo, enquanto a de São Paulo é de R$ 6,00.

As mulheres costumam procurar mais a Internet na hora das refeições. Apenas na capital mineira, 54% dos que procuram são homens, números que diferem do resto do País. Já em Salvador, quase houve empate, mas as mulheres continuam à frente, com 51%. Os solteiros predominam, e na maioria das capitais, os números ultrapassam 70%, e os viúvos (as) têm menos interesse pelo serviço, com quase 0% em algumas capitais. Embora o número de solteiros sem filhos seja grande, o número de famílias que têm entre um e dois filhos que costumam usufruir do delivery representam mais de 60%. 

No Brasil, na maioria das vezes, os pedidos virtuais são para uma ou duas pessoas com idades entre 25 e 35 anos. Entre os profissionais que mais acessam a Internet em busca de quitutes, destacam-se os graduados em Exatas. São Paulo (58%), seguido logo em seguida por Salvador (56%) e Rio de Janeiro (55%). Os profissionais de Humanas são minoria. No Rio de Janeiro, por exemplo, apenas 18% buscam refeições na web. Independente da área de atuação, essas pessoas normalmente estão em casa, cansadas do trabalho ou com preguiça para enfrentar filas em restaurantes, tanto que o delivery para casa é maior do que para o trabalho, chegando a quase 70% em algumas capitais, como em Curitiba (68%). “O jantar ganha disparado dos pedidos no almoço”, aponta Márcio Blak, diretor do portal ComerNaWeb. Os aposentados encaixam nesse perfil, e representam 15%. 

No entanto, a preferência pelos pedidos noturnos são mais frequentes nos fins de semana. Em todos os estados, mais de 45% são realizados de sexta-feira à noite a domingo à noite. Durante os dias úteis, os números destacam outro horário, o do almoço, principalmente nas áreas de grande concentração de trabalhadores. No Rio de Janeiro, o Centro tem a maior demanda no almoço (51%), já que conglomera muitos pedidos comerciais. O mesmo ocorre na região da Avenida Paulista (40%), centro econômico da cidade de São Paulo.

A preferência pelo paladar também foi tema da pesquisa. No Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e Salvador, a culinária oriental é a preferida, sendo 35%, 36% e 38% respectivamente. Nas capitais carioca e mineira, a pizza aparece em segundo lugar, enquanto em Salvador, a comida italiana é a vice-campeão. Já em São Paulo e Curitiba, as pizzas estão em primeiro lugar, com 38% e 35%, e comida japonesa vem logo atrás. Segundo os entrevistados, o telefone ocupado é o principal motivo para utilizar a Internet, e a segunda razão é o cardápio disponível.  A web representa 90% dos pedidos, e entre os mobiles, o android 35% e iphone, 65%. Acompanhando esse avanço tecnológico, o ComerNaWeb é o único no País a oferecer e-commerce gastronômico pelo Facebook.

Sobre o ComerNaWeb

Um dos maiores portais de delivery gastronômico do Brasil, feito para quem gosta de comer bem e sem complicação. Considerado uma praça de alimentação virtual, nele a pessoa pode pedir sua comida preferida. O site não é apenas mais um guia de bares e restaurantes: é uma nova maneira de você se relacionar com gastronomia. Único no País a oferecer e-commerce gastronômico pelo Facebook. De forma fácil e rápida pode-se fazer um pedido no restaurante favorito. É um serviço de delivery sem nenhum custo adicional e a longa espera no telefone para fazer  um pedido: você paga somente o valor de entrega cobrado pelo restaurante de sua escolha (que seria o mesmo valor caso o pedido fosse feito diretamente no estabelecimento). O objetivo é oferecer o maior número possível de boas opções gastronômicas na sua cidade, para que você possa ter o prazer de comer na sua casa, com toda a comodidade e segurança.

www.comernaweb.com.br

 

Rio de Janeiro

São Paulo

Curitiba

Belo Horizonte

Salvador

Homens

41%

44%

48%

54%

49%

Mulheres

59%

56%

52%

46%

51%

Casados

36,07%

27,11%

26,04%

23,23%

24,21%

Solteiros

58,70%

68,07%

70,02%

73,55%

73,40%

Divorciados

4,60%

4,12%

3,19%

3,23%

1,87%

Viúvos

0,64%

0,70%

0,74%

0%

0,52%

18 a 24 anos

12,23%

16,96%

24,24%

8,86%

15,80%

25 a 35 anos

49,04%

55,82%

51,06%

68,99%

63,40%

36 a 45 anos

21,15%

16,96%

10,80%

13,92%

14,56%

46 a 55 anos

9,46%

6,48%

4,24%

2,53%

3,60%

Acima de 55 anos

8,12%

5,70%

9,65%

5,70%

2,64%

 

 

1 a 5 salários mínimos

15,21%

14,53%

13,67%

12,11

16,6

5 a 10

65,6%

62,7%

67,1%

63,4

59,2

10 a 20

16,13%

17,91%

13,4%

18,21

18,32

Acima de 20

3,06%

4,86%

5,83%

6,28

5,88

 Total de entrevistados: 10 mil pessoas

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Member Login

Pellentesque adipiscing odio eu neque gravida vehicula. Ut ultricies diam vel est convallis non auctor dui scelerisque. Quisque at erat sem
×